Os 10 melhores países que mais defendem os direitos LGBTQ+

Os 10 melhores países que mais defendem os direitos LGBTQ+

Junho é mês do Orgulho LGBTQ+. Muitos países do mundo estão abrindo caminho para os direitos LGBT. Vemos braçadeiras de arco-íris no gramado de futebol. E vemos bandeiras de arco-íris 🏳️‍🌈 nas ruas.

Nas últimas décadas, o reconhecimento dos direitos LGBT tem sido uma grande preocupação em muitas partes do mundo. Diferentes países ou territórios têm suas leis relacionadas à população de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Algumas dessas leis reconhecem a comunidade LGBT, enquanto outras prescrevem punições severas, como a pena de morte.

A Amnistia Internacional está entre as organizações que consideram os direitos LGBT como direitos humanos. Atualmente, cerca de 22 nações reconhecem o casamento do mesmo sexo, a maioria dos quais na Europa Ocidental e nas Américas. Isso significa que apenas cerca de 10% da população mundial reside em uma nação que reconhece o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Por outro lado, mais de 80 nações têm leis que facilitam a discriminação de pessoas LGBT. Em junho de 2015, a Colômbia representou 72 nações quando emitiu uma declaração conjunta para o Conselho de Direitos Humanos da ONU para acabar com a discriminação e a violência contra pessoas LGBT. O objetivo é pressionar as nações do mundo a fazer progressos na proteção dos cidadãos LGBT. Sem nenhuma ordem particular, aqui estão dez países que estão abrindo o caminho.

E seguida, vamos conhecer os 10 melhores países que mais defendem os direitos LGBTQIA+.

10. Noruega

LGBTQ Noruega
Parada LGBT em Noruega

Em 1981, a Noruega adotou uma lei antidiscriminação que incluía a orientação sexual. As uniões de casamento do mesmo sexo e a adoção foram legalmente permitidas desde 2009, além da terapia de fertilização in vitro. A Noruega aprovou ainda uma lei que permite que uma pessoa mude seu sexo legal. A Noruega é um dos países do mundo que mais aceitam viajantes LGBT.

9. Reino Unido

Reino Unido lgbtq
parada LGBTQIA+ no reino unido

O período entre 1967 e 1982 foi caracterizado pela descriminalização da homossexualidade em todo o Reino Unido. O século 21 no Reino Unido foi marcado pela adoção de proteções para pessoas LGBT. Indivíduos LGBT podem servir nas forças armadas e a mudança legal de gênero é permitida. Desde então, a Inglaterra, a Escócia e o País de Gales legalizaram o casamento homossexual, enquanto a Irlanda do Norte permite uma parceria civil. A proteção contra a discriminação está prevista nas leis do país.

8. Finlândia

finlândia lgbtq
parada lgbtq em finlândia, bandeiras de arco íris

Embora a homossexualidade só tenha deixado de ser considerada uma doença em 1981, a Finlândia fez grandes avanços no reconhecimento dos direitos das pessoas LGBT desde então. O Parlamento finlandês adotou uma lei de 2014 que reconheceu o casamento entre pessoas do mesmo sexo, além da adoção conjunta por casais de gays e lésbicas. Além disso, lésbicas e gays podem trabalhar abertamente nas forças armadas da Finlândia, enquanto indivíduos transgêneros podem escolher mudar para outro gênero legal. O país também adotou várias leis antidiscriminação para as comunidades LGBT.

7. Dinamarca

Dinamarca LGBTQIA
parada LGBTQ em Dinamarca

A atividade do mesmo sexo é legal na Dinamarca desde 1933, e a idade de consentimento foi adotada aos 15 anos em 1977, independentemente do sexo ou orientação sexual. A Dinamarca fez história em 1989 quando se tornou a primeira nação a oferecer reconhecimento legal para parcerias do mesmo sexo com o título de “parcerias registradas”. Uma lei de casamento entre pessoas do mesmo sexo foi oficialmente adotada em 2012, e as adoções conjuntas para aqueles em casamentos do mesmo sexo foram aprovadas em 2010. Copenhague é frequentemente reconhecida como uma das cidades mais amigáveis ​​para gays do mundo devido a cenas como a Parada do Orgulho anual . Os territórios autônomos da Dinamarca nas Ilhas Faroe e na Groenlândia também legalizaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

6. Bélgica

lgbtq Bélgica
parada LGBTQ em Bruxelas, Bélgica

Mesmo sexo na Bélgica era legal desde 1795 com uma exceção para o período entre 1965 e 1985. A Bélgica foi o segundo país do mundo a reconhecer legalmente o casamento do mesmo sexo em 2003. Em 2006, a adoção pelo mesmo sexo tornou-se legal no país, enquanto casais de lésbicas podem acessar a fertilização in vitro. A Bélgica hospeda alguns festivais do orgulho gay de renome internacional, como La Démence. Cidades como Bruxelas têm uma cena LGBT próspera, que inclui a Semana do Orgulho.

5. Espanha

parada lgbt Espanha
parada lgbt Espanha

Os direitos dos indivíduos LGBT têm recebido muita atenção na Espanha desde o final do século XX. A homossexualidade se tornou legal em 1979, e o casamento entre pessoas do mesmo sexo ganhou reconhecimento legal em 2005, junto com os direitos de adoção. O Pew Research Center estima que 90% da população da Espanha acredita que as comunidades gays e lésbicas devem ser aceitas. Barcelona foi identificada como uma das metrópoles mais amigáveis ​​do mundo para pessoas LGBT.

4. Países baixos

lgbtq Países baixos
bandeira do arco íris agitando no ar, Países baixos

Quando a França invadiu e ocupou o território dos Países baixos, promulgou o código napoleônico que legalizou as relações entre pessoas do mesmo sexo e apagou as leis discriminatórias. Os países baixos não instituiram nenhuma lei criminalizando as relações entre pessoas do mesmo sexo após a independência. Quando os direitos LGBT ganharam reconhecimento social no final do século 20, a homossexualidade foi removida da lista oficial de doenças em 1973. Em 2001, os países baixos se tornaram um dos primeiros países do mundo a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Amsterdã tem a reputação de ser uma cidade muito amigável para LGBT.

*Países Baixos é nome correto e Holanda é muito usada no brasil, porém é tecnicamente errada.

3. Malta

parada LGBTQ Malta
parada LGBTQ Malta

Malta tem sido elogiada por seus direitos e consciência LGBT. Foi nomeado pela Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexos como o país mais amigo dos LGBT da Europa. Os direitos para LGBT fazem parte da constituição do país. Desde 2004, Malta proibiu toda a discriminação com base na identidade e expressão de gênero e orientação sexual. Os cidadãos LGBT podem servir abertamente nas forças armadas de Malta e uma lei promulgada em 2014 dá a essas pessoas o direito de estarem em uniões civis. Mais notavelmente, Malta proibiu a terapia de conversão. No entanto, foi relatado que o acesso à assistência para a reprodução e a barriga de aluguel ainda são proibidos para casais do mesmo sexo em Malta. A partir de 2017, o casamento entre pessoas do mesmo sexo em Malta é legal.

2. Portugal

parada LGBTQ Portugal
parada LGBTQ Portugal

Os direitos LGBT ganharam destaque na sociedade portuguesa e registaram grandes melhorias nos últimos anos. Legalmente falando, a homossexualidade não podia mais ser processada por lei a partir de 1983, e o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi legalizado em 2010. Portugal tem inúmeras leis anti-discriminação que visam garantir que os cidadãos LGBT gozem de direitos iguais a todos os outros.

1. Canadá

parada lgbtq Canadá
uma pessoa agitando bandeira arco íris na parada LGBTQIA+ Canadá

A última pessoa a ser presa por conta de homossexualidade no Canadá foi chamada Everett George Klippert. O caso de Klippert resultou na descriminalização da homossexualidade no Canadá em 1969. O Canadá adotou a Lei do Casamento Civil em 2005, que tornou legal o casamento de casais do mesmo sexo. Indivíduos transgêneros podem mudar seu gênero legal em todos os territórios e províncias sob regulamentações variadas. A partir de 2017, o Canadá deu passos largos ao permitir que seus cidadãos escolhessem um terceiro sexo, chamado “X”, em seu passaporte canadense. As pesquisas revelaram que os direitos LGBT são aceitos pela grande maioria da sociedade canadense. Cidades canadenses como Ottawa, Toronto, Vancouver e Montreal têm até “vilas gays” e costumam ser incluídas como cidades amigas dos gays.

Conclusão

Como podemos ver, maioria dos países acima são de europa, ou mais especificamente, norte da europa tais como finlândia, dinamarca e noruega. É óbvio que os países europeus estão cada dia mais inclusives com grupo LGBTQIA+. E canadá lidera o ranking devido a sua democrácia, liberdade da sociedade. Em contrários, nos países em desenvolvimento, tais como brasil, ainda tem um caminho longo para defender os direitos LGBTQ, e recohecer os direitos LGBTQ+.

Entenda o que significa LGBTQIA+

L = Lésbicas

Relação entre duas mulheres

G = Gays

Relação entre dois homens

B = Bissexuais

Aqueles homens ou mulheres que têm afeto com tanto homem quanto mulher.

T = Transexuais

A transexualidade não tem relação com a orientação sexual, mas se refere à identidade de gênero. Quem nasceu como meninou ou menina e depois decidiu mudar de sexo.

Q = Queer

Pessoas com o gênero ‘queer’ são aquelas que defendem que a orientação sexual e identidade de gênero é de uma contrução social, em vez de resultado da funcionalidade biológica.

I = Intersexo

A pessoa intersexo está entre o feminino e o masculino, que acha que não é homem nem feminino.

A = Assexual

Assexuais não sentem atração sexual por outras pessoas, sejam honens ou mulheres.

+

O + é utilizado para incluir outros grupos e variações de sexualidade e gênero.

Símbolo: 🏳️‍🌈 bandeira do arco-íris, 🌈 arco-íris.

Melhores

melhoresemaiores.com tem objetivo de fazer uma enciclopédia mais completa para os melhores produtos para seu lar, cozinha, bebê e crianças. Elaboramos reviews e dicas sobre como escolher o melhor produto para você.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *